Seguidores

sábado, 5 de novembro de 2011

Religiosamente ou não rs. Fazer o mal depende de ponto de vista?





Beijos... Beijinhos e Beijocas!!!


__________________

Pergunta feita por Carla no sítio Yahoo!Respostas.
Resposta dada por
Bill.
__________________

Oi, Carla!

O mal não depende da pessoa, mesmo que alguém considere algo mal como bom ou o ignore, esse mal permanece sendo o que é.

Imagine um assaltante, talvez alguém pense que ele considere o roubo bom pelo fato de ser assaltante, mas será que ele seria indiferente ou ficaria feliz em saber que alguém o assaltou? Um assassino também não quer ser assassinado, não é?
Drogas

Normalmente as pessoas consideram como o bem apenas aquilo que gostam de fazer, por isso muitos drogados não consideram as drogas como um mal, tanto que lutam para que sejam legalizadas e os políticos e empresários que veem nisso uma possibilidade absurda de lucros apoiam essa ideia. Mas drogas são um mal. Mesmo que alguém diga que não é, as drogas continuarão sendo o mal quer aceitem ou não. Pessoas são escravizadas pelo vicio, perdem a liberdade, perdem a lucidez e a capacidade de raciocínio com o tempo e morrem, tudo isso por causa das drogas.

Apesar do ponto de vista diferente em relação às drogas, elas continuam sendo um mal, entende?

A melhor forma de identificar o mal é através das consequências e grau de dano que causa a si mesmo ou a outra pessoa, além da intenção em causar o dano.

Um dano causado por acidente é uma coisa, mas aquele que é feito propositalmente é outra coisa.

O mal, de fato, está na intenção.

Uma faca pode ser má ou boa, depende apenas da intenção de quem a impunha.

O último ministro do meio-ambiente do Lula defendia abertamente a liberação da maconha.

Alguém assim não sabe que a droga é o mal? Com certeza sabe! A intenção deliberada em apoiar algo assim revela um coração mal.

Intenção, entende?

Se ele fosse inocente, não soubesse qual o efeito das drogas, nunca tivesse ouvido falar dessas coisas, então, não haveria o mal em suas intenções e nem em seu coração. Embora estivesse apoiando o mal, ele entretanto não seria mal.

Mas um político que apoia maconheiros é santinho?

Difícil, heim?

Ainda mais fazendo parte de um governo que criou o PNDH3 em que propunha o afrouxamento do código penal (dando uma folga aos bandidos) e criou o Auxílio-Reclusão, cujo cálculo do valor é o mesmo que é utilizado para calcular uma aposentaria, sem contudo dar um único centavo às vítimas do criminoso, deixando-as à própria sorte.

Se apoia traficantes (mesmo que indiretamente), então faz todo o sentido apoiar drogados e o vício.

Qual o ponto de vista deles? Dirão que não estão fazendo mal algum, não é?

Mas será que realmente não consideram isso tudo como o mal?

Difícil, heim?

Assim, em relação às pessoas de um modo geral, acredito que nem sempre o mal depende do ponto de vista, depende na verdade da intenção. Quem faz o mal, o faz sabendo que é mal, embora negue isso dizendo que apenas "pensa diferente", essa pessoa sabe das consequências de suas atitudes, tem ideia perfeita do que a espera no futuro, mas a necessidade de prazer imediato anula qualquer instinto ou bom senso.

Depois a culpa é de Deus, do governo, do ex-marido, da ex-esposa, do universo e etc.

Cada um colhe o que planta, pode-se plantar o bem ou o mal, mesmo que não considere o mal como o mal, mas é o mal que vai colher e não poderá culpar a ninguém por isso.

É isso.

Bjs,

Graça e paz.

4 comentários:

  1. Adorei esse post!A gente mesmo escolhe o nosso próprio destino!

    ResponderExcluir
  2. o mal é tão mal, que não se consegue vê-lo com seu verdadeiro rosto, mas sim com uma pesada maquiagem que esconde a destruição produzida por ela.
    leila bahia.

    ResponderExcluir
  3. Isa Pina ( bem disposta)8 de novembro de 2011 07:07

    Oi,amiguinho!
    Não tenho comentários, você disse tudo!
    Para um bom entendedor, está mais que bem explicado!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Realmente não há mais nada a comentar. O raciocínio está completo.
    bjs

    ResponderExcluir