Seguidores

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Você homem religioso, está preparado para essas duras verdades?





Ao leitor é recomendado prudência e estômago forte para resistir às cenas sugeridas que causam decepção e um choque violento:

1- Você nasceu e viveu sob os auspícios de uma sociedade de consumo, cujos ícones foram moldados para lhe extrair vantagem. Por mais que você não queria aceitar, sou obrigado a te comunicar que o Coelhinho da Páscoa e o Papai Noel não existem. Pergunte ao seu pai em uma conversa séria, olho no olho!

2- Sei que deves estar chateado, mas sou obrigado a comunicar que a senhora sua mãe, muito provavelmente, tem uma grande chance de não ter casado virgem e ter sido iniciada nas artes sexuais fora do leito nupcial! Fale com ela no quarto fechado num dia de outono com o som desligado, ela vai confessar que com certeza já esquentou os testículos de algum macho antes.

3- Aquela professora do colégio que você admirava, que usava aqueles óculos interessantes e tinha jeito de super pura, pela qual nutria uma baita atração?... Pois é, ela mesma! Ela já teria ido com algum namorado em um "Drive" e segurado em algo que lhe causou arrepios e uma profunda volúpia. Você não era o homem de seus sonhos...!

4- Sei que é difícil, mas os ricos, isso mesmo, os ricos, as pessoas que têm dinheiro acima da média e deveriam ter uma educação esmerada, fina, culta e exemplar, por incrível que pareça, eles falam palavrões...!

Música do programa de rádio do Gil Gomes... Suspense, terror!

5- Já que estamos no dia da verdade, sou obrigado a te dizer que a sublime agremiação dos banqueiros nacionais e internacionais que também compõem o FMI, ouça bem, não é, isso mesmo, não é uma agremiação com fins humanitários, composta por homens íntegros e justiceiros, mas tem finalidades lucrativas, assim todos aqueles honoráveis homens vestidos de terno e gravata com aparência louvável, estão interessados no lucro, no dinheiro, no poder...!

6- Vamos arregaçar seu coração agora, mas é preciso! Sabe aquela carta que o banco mandou no dia do seu aniversário? Aquela carta te desejando feliz aniversário? Pois é ela mesma! Ela não foi feita pelo Dono do Banco letra por letra para te desejar felicidade! Ela foi feita numa gráfica e só com o nome do cliente em branco, o qual é impresso aos montes e quanto ao seu nome e sua figura, são só mais uma dentre tantas, apenas um número!

7- Espero que não vomite! Sabe o político que você ajudou a eleger na última eleição? Desculpe-me, mas sou obrigado a dizer que ele não é um homem cem por cento honesto! Provavelmente vá se envolver em alguma decisão que envolva corrupção e/ou já tenha desviado dinheiro público. Som... Marcha fúnebre...

8- Já que é pra valer, lá vai:

Você deve saber que a maioria das pessoas ricas e milionárias, provavelmente não conseguiram suas fortunas de forma lícita, honesta e digna e com muita chance, devem ter conseguido enriquecer explorando alguém, deixando de pagar impostos e traficando influências através de panelinhas até conseguirem o poder para gastar o dinheiro dos outros de forma egoísta!

9- A humanidade é baseada em mentiras duras que você aprende desde a infância e cresce pensando que elas são verdade! E tudo isso pra mostrar que somos inocentes ao crer em coisas que deveria ser daquele jeito, mas não são pelo simples fato de que maldito é o homem que crê no homem e tudo aquilo que ninguém viu, nada pode afirmar.

10- A maior das mentiras é alimentada pelo nosso próprio ego vaidoso e insensato! Por ele queremos nos enganar.

Somos capazes de querer provar que falamos com Deus e que Ele se preocupa conosco mais do que com o outro que nós julgamos inferior e perdido no pecado!

Pior do que essa, nenhuma verdade ou mentira!

Acorde, ainda é tempo.


__________________

Pergunta feita por Kéfren no sítio Yahoo!Respostas.

Resposta dada por Fernando El Shadday *.
_________________

* Este usuário teve o perfil excluído do Y!R.

 
Kéfren...

Qualquer pessoa com maturidade sabe que o "deus ' deste mundo é o dinheiro... mas ainda acredito que podemos salvar o pouco que resta lutando contra a maldade, contra o ateísmo e todas as coisas que destroem nossa sociedade...


“O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”.


Edir Macedo

16 comentários:

  1. NOSSA PARABÉNS IRMÃO! E ESTAMOS FAZENDO PARCERIA DE BLOGS. OK.....!!!!UMA POSTAGEM TÃO INTELIGENTE E OPORTUNA SOMENTE PODERIA VIR DA VOSSA SENHORIA! PARABÉNS MUITO BOM! E INFELIZMENTE TUDO ISSO QUE FOI DITO ESTÁ NA 'BÍBLIA' - CORRUPÇÃO, ADULTERAÇÃO, DA PALAVRA DO ETERNO PELAS SUAS VÁRIAS CÓPIAS E VERSÕES E DIREITOS AUTORAIS PARA SER LIDA EM OUTRAS LÍNGUAS.....MUITA COISA FOI ALTERADA........A ESCRITURA SAGRADA NÃO! MAS SUA CÓPIA QUE LEVA O NOME DE BÍBLIA ESSA SIM É ADULTERADA E COM DIREITOS AUTORAIS INFELIZMENTE DE HOMENS......Rm 1,18-27!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ola pensador livre,
    bem vindo ao blog de ivonilservodeyahshuah!
    vc gira gira e cai aqui; tô começendo a acreditar que o Eterno Yahweh tem um proposito na sua vida!de ti trazer para o nome unico que salva...YAHSHUAH HAMASHYAH...
    shalom

    ResponderExcluir
  3. Que post legal!É a mais pura realidade!

    ResponderExcluir
  4. Acontece kENFREN... que a única fonte geradora de uma igualdade social perfeita, é a verdade. Shaul hashaliach=apostolo paulo disse...nada podemos contra a verdade...mas...somente pela verdade! No entanto, ela sempre foi substimada e incompreendida, pelos pseudos sábios de plantão! Sempre que alguem se coloca ao lado da verdade, e à anuncia ao mundo de uma forma clara e abjetiva, ela não e´compreendida, nem aceita!
    Aliás, a propria verdade...Yahsuah...foi rejeitada de uma forma insciente e mesmo insanea. Ele disse a pilatos...eu vim para dar testemunho da verdade...pilatos interrogou-o, o que e´a verdade?...porem não esperou a resposta...Yachonam 18,37,38.
    Assim, a massa falida sempre vê a verdade como uma inimiga do bem.
    E a rejeita sistematicamente!

    ResponderExcluir
  5. O Natal foi instituido pelo imperador Constantino de Roma no (ano 325 era do mashiach.)
    Nesse dia ...25 de Dezembro...era reverenciado entre os povos pagãos, o dia "natallis invict sollis" o nascimento do sol envencivel.
    A Enciclopedia Britanica Edição de 1946 diz o seguinte sobre o dia 25 de Dezembro. O natal não constava entre as antigas festividades da Igreja...não foi instituido pela Igreja primitiva, nem pelos apostolos, nem pelas autoridades biblicas. Foi tomado mais tarde do paganismo!
    E A Enciclopedia Americana edição de 1944 relata tambem sobre o natal...o natal de acordo com muitas autoridades, não se celebrou nos primeiros seculos da Igreja...A Árvore de natal, é de origem germanica, datando do tempo de s bonifacio. Foi adotada para usbstituir os sacrificios ao carvalho sagrado (arvore sagrada) de "Odin" deus mitologico. Adoravam-se tambem, uma árvore em homenagem ao deus menino pagão! Porquanto, o costume de usar árvores de natal dentro de casa, é uma idolatria romana herdada do paganismo.
    Como se vê, a historia nos mostra que o natal e suas festividades idolatras, é totalmente uma data e uma festa pagâ...
    shalom em yahshuah po unico nome que salva!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. MITOLOGIA X VERDADE
    Nesse estudo aqui elaborado em pesquisas bíblicas históricas e recentes, vamos comparar esses dois quesitos ao petróleo e ao manancial de águas limpas. O que acontece quando esses dois elementos se juntam? a água torna-se contaminada por perder a sua natural qualidade.
    Tendo observado alguns videos produzidos por Academos e escritos vários deixados por historiadores renomados, utilizarei alguns de seus informativos como ponto de partida de um pano de fundo a ser mostrado.
    Muito antes do início da era cristã, antigos povos adoravam ao sol o tendo por um deus crendo que sem ele não haveria colheita e nem vida na terra. Até aí, a forma de pensamento dessa gente antiga estava correta, porque sem a presença da luz desse astro esse mundo em que vivemos não poderia ter sobrevivência. Muitos mitos no passado foram rotulados com a visão solar.

    HOROS DO EGITO – ATTIS DA PIRÍGIA – DIONYSUS DA GRÉCIA – MITRA DA PÉRSIA – E OUTROS AQUI NÃO MENCIONADOS.

    Todos esses têm uma história mitológica em particular: nasceram de virgem, em 25 de dezembro, e cada um deles foi venerado por seus adeptos como um deus ou messias protetor e salvador. Dessa linhagem surgiu também o mito Iesus (Jesus), nascido de uma virgem, em 25 de dezembro, que se despontou como principal salvador do sistema religioso romano e de todo o cristianismo que se tornou enxerto dessa árvore mito – idolátrica. O que isso tem a ver, pelo lado da justa causa, com o justo Mashiach profeticamente prometido? Jogar o petróleo na água é fácil; difícil é tirá-lo para que a água continue limpa.
    No livro de SABEDORIA que se encontra na Tradução Católica, considerado apócrifo pelo cristianismo adjacente ao religioso corpo vaticanista, se ver a seguinte mensagem.

    “São insensatos por natureza os que desconheceram a Deus, e através dos bens visíveis, não souberam conhecer Aquele que é, nem reconhecer o Artista, considerando suas obras.Tomaram o fogo, ou o vento, ou o ar agitável, ou a esfera estrelada, ou a água impetuosa, ou os astros dos céus, por deuses, regentes do mundo. Se tomaram essas coisas por deuses, encantados pela sua beleza, saibam, então, quanto seu senhor prevalece sobre elas, porque é o criador da beleza que fez essas coisas. Se o que os impressionou é a sua força e o seu poder, que eles compreendam, por meio delas, que seu criador é mais forte; pois é a partir da grandeza e da beleza das criaturas que, por analogia, se conhece o seu autor”. SABEDORIA 13: 1 – 5.
    (TRADUÇÃO DOS ORIGINAIS mediante a versão dos monges de Maredsous (Bélgica).

    “Estudos indicam que esse livro foi escrito por um judeu de Alexandria, por volta dos últimos decênios do século I AC. Alexandria era um importante centro político e cultural grego, e contava com cerca de 200.000 judeus entre seus habitantes. A cultura grega, com suas filosofias, costumes e cultos religiosos, além da hostilidade que, às vezes, incluia perseguição aberta, constituíam uma ameaça constante à fé e à cultura do povo judaico que habitava no Egito. Para não serem marginalizados da sociedade, muitos deixavam os costumes e até mesmo a fé, perdendo a própria identidade para se conformar a uma sociedade idólatra e injusta.
    O autor, profundamente alimentado pelas Escrituras e pela consciência histórica do seu povo, enfrenta a situação, escrevendo um livro que procura de todos os modos reforçar a fé e ativar a esperança, relembrando o patrimônio histórico-religioso dos antepassados. Ele ensina a verdadeira sabedoria que conduz a uma vida justa e à felicidade. Não se trata da cultura que se conquista pelo pensamento, mas da sabedoria que vem de Deus, opondo-se à idolatria e à vida injusta que nasce dela. Esta sabedoria divina guiou magistralmente a história do povo de Deus, revelando que a verdadeira felicidade pertence aos amigos de Deus. Em outras palavras, o autor quer mostrar que a sabedoria ou senso de realização da vida não é apenas um fruto do esforço do homem, mas é em primeiro lugar um dom que Deus concede gratuitamente aos seus aliados”.
    (Wikpédia, a Enciclopédia Livre).

    ResponderExcluir
  7. CONTINUAÇÃO:

    Esse sábio yhudih (judeu) que viveu em Alexandria por volta do século I aec., tinha o sol na qualificação de um Elohym (D’us)? Jamais, pois o seu justo ensinamento mostra que sol, lua, estrelas, tudo foi criado por um ser superior a todas essas coisas. Se a Bíblia, ao todo, é um livro astrológico, então “seus autores” esqueceram de excluir esse texto inverso.
    O sábio que aqui se pronunciou, demonstra que tinha o sol como criatura e não como criador ou salvador. A presença do culto idolátrico de adoração ao sol encontrava-se no Egito, e isso, sem sombra de dúvida, lhe causava grande preocupação devido a convivência de seus irmãos dentre o sistema pagão ali regente. Com essa preocupação buscou sabiamente admoestá-los, a que sempre permanecessem no culto de adoração ao Criador e não à criatura. Que posso dizer desse escrito bíblico? Perante a cegueira, uma visão permanece.

    “O filósofo grego Anaxágoras, que viveu de 500 a 428 a.C. dizia mais ou menos a mesma coisa em equivalência com a teoria da Big Bang, ressalvando, porém, que a matéria é incapaz de se mover por si mesma, constituindo a Inteligência o princípio do movimento que a anima e dá a ordem que ela tende a consolidar. A inteligência – para o filósofo - é simples, indivisível, sem parcela de qualquer coisa; tem dois atributos fundamentais, que são o conhecimento e o movimento; preside a revolução dos astros e a circulação universal; envolve e domina o mundo. Assim, os objetos teriam tomado sua forma por intermédio de um espírito modelador, ou inteligência, que permanecia sempre idêntico a si mesmo; era infinito e imaterial, independente de tudo o mais e todo-poderoso”.
    (www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br)

    Se as teorias referentes à criação do Universo, de modo geral, estivessem em harmonia com Anaxágoras, teriam já se resumido no justo reconhecimento da existência de uma invisível inteligência, que se acha posicionada acima de qualquer imaginação humana. Quaisquer definições bíblicas vindas de uma ideologia científica filosófica ou mesmo teológica, são apenas fragmentos de uma História cujo princípio se revela através dos tempos, na conclusão de uma frase: “Bereshit bará Elohim et hashamain vet haárets”. (No princípio criou Deus os céus e a terra).
    Dona de uma incalculável riqueza, essa frase por vezes questionada traz na sua estrutura uma superiora fonte de elaborações, por onde a transparência, muitas vezes, se tem tornado incógnita diante das muitas especulações em seus compostos ângulos. Não é difícil se aproximar desse rico tesouro, desde que a limitada sabedoria humana se contente com sua findável condição carnal, tendo sempre consciência de sua inferioridade perante o autor e Adon de tudo quanto foi criado. Aquele que assim procede não se deixa desviar do caminho da prudência.
    Parabéns ao grande pensamento filosófico de Anaxágoras por reconhecer na explosão, evolução, formação universal a presença única de um ser Poderoso, modelador, que idealizou e concluiu por si só a imensa obra universal.
    Enquanto a filosófica sabedoria desse personagem, no passado, tinha esse sábio conceito, cientificamente nos dias de hoje o mesmo se encontra escasso. Se muitas mentes continuam vazias no que diz respeito a isto, fico feliz por saber que numa mente vivida por volta de 500 a 428 a. C. esse prudente reconhecimento já existia, dando crédito a um poderoso e único comando.

    ResponderExcluir
  8. CONTINUAÇÃO:

    O PETRÓLEO LANÇADO NA ÁGUA

    Dando prosseguimento aos termos lendários de: HOROS DO EGITO, ATTIS DA PIRÍGIA, DIONYSUS DA GRÉCIA E MITRA DA PÉRSIA, vemos nos dias de hoje a criação de um novo Mito: O Jesus Cristo do cristianismo romano e do seu enxerto.
    Através da História temos conhecimento que Roma, em séculos passados, pertenceu à linhagem real dos Césares: Augvstvs Caesar (Augusto César); Tibérivs Caesar (Tibério César); e tantos outros. No entanto, por meio de astuciosos planos religiosamente bem organizados o poder dos Césares caiu, surgindo depois, com o passar do tempo, um novo reino em forma de país independente que veio a ser chamado de Vaticano.
    A História mostra que Roma sempre teve sua crença fundamentada em cultuações idolátricas, nas quais vários deuses eram honrados, sendo até mesmo o imperador acolhido por um desses. Com a chegada do reinante domínio papal todos esses ídolos foram banidos, para em lugar deles, em um poder mundialmente superior, surgir outro que haveria de ser honrado por quase todas as nações da terra. Quem seria esse? Numa exegese lógica nas profecias, a resposta será vista.
    Se referindo a um rei não condecorado, em 11: 38 de sua mensagem Daniel disse: “E a um deus a quem seus pais não conheceram honrará com ouro; com prata; com pedras preciosas e cousas agradáveis”. Qual nome, todos os dias, é honrado nos crucifixos de ouro; de prata; nos para choques dos carros; dentro dos bares; nos festejos mundanos; não é o nome Iesus (Jesus)? Esse é o deus mencionado na profética visão de Daniel, cujo nome e poder vêm da Babilônia mística (Roma) e não do Altíssimo. Aos que mancham a água com petróleo, uma pergunta: Onde, dentro desse contexto, se enquadra profeticamente o prometido Mashiach de Ysrael? As equivalências históricas respondem.

    “A data de nascimento do filho de Yosef e Míriam é muito discutida. Devido a falhas do calendário há quem diga que ele nasceu por volta do ano 6 da ec. Porém, considerando que tal fato aconteceu antes da morte Herodes, isto coloca-nos numa data anterior a 4 a.e.c.
    Outra ajuda que temos para facilitar a localização desta data foi que esta ocorreu, quando Yosef foi a Belém com sua família para participar do recenseamento.
    Os romanos obrigaram o recenseamento de todos os povos que lhes eram sujeitos a fim de facilitar a cobrança de impostos, o que se tornou numa valiosa ajuda na localização temporal dos fatos, uma vez que ocorreu exatamente 4 anos antes da morte de Herodes, no ano 8 aec.
    Entretanto, os yhudim (judeus) tomaram providência no sentido de dificultar qualquer tentativa por parte dos ocupantes em contar o seu povo, pelo que, segundo a história, nas terras judaicas este recenseamento ocorrera um ano depois do restante império romano, ou seja, no ano 7 aec. Em Belém, o recenseamento ocorrera no oitavo mês, pelo que se concluiu que, o filho de Yosef nascera provavelmente no mês de Agosto do ano 7 aec.
    Outros fatos também ajudam a estimar a data exata. Conforme é relatado pelos textos bíblicos, no dia seguinte ao nascimento do Messias, Yosef (José) fez o recenseamento da sua família, e um dia depois, Míriam (Maria) enviou uma mensagem a Elisheva (Isabel) relatando o acontecimento.
    A apresentação dos bebês no templo, bem como a purificação das mulheres teria de ocorrer até aos 21 dias após o parto. Yaheshuah foi apresentado no templo de Zekaryah (Zacarias) segundo os registros locais, no mês de setembro, num sábado. Sabe-se que setembro do ano 7 aec. Teve quatro sábados: 4, 11, 18 e 25. Como os censos em Belém ocorreram entre 10 e 24 de agosto, o sábado de apresentação seria o de 11. Logo, o Mashiach teria nascido depois de 21 de agosto do ano 7 aec”.
    (Fonte: Wikpédia, a Enciclopédia livre).
    (OBS. Esse informativo passou por algumas modificações nominais e ortográficas, inalteráveis à sua objetividade).

    ResponderExcluir
  9. CONTINUAÇÃO E RESUMO:

    COMEÇANDO A TIRAR O PETRÓLEO DA ÁGUA

    II – Shemuel (Samuel) 7: 12 – O Mashiach prometido, segundo a carne, haveria de vir das entranhas de Davi. Isso significa que haveria de ser gerado pelo espermatozóide davídico. Para quem ainda não sabe, vir das entranhas significa brotar de dentro. Isso teria que acontecer quando Davi já estivesse no pó da terra, reunido a seus pais. Portanto a mensagem profética não equivale à Shlomon, lógico, porquanto esse gerado já estava. Também, seu reino não se firmou conforme a promessa, sendo mais tarde dividido, enquanto que a kadosh (santa) revelação mostrou um descendente a reinar sobre um trono eterno. Esse, não veio de virgem, mas dos filhos de Davi conforme a linhagem. Observem I – Crônicas 17: 11.

    AS CONTRADIÇÕES

    O verdadeiro: Segundo a carne veio gerado por um dos descendentes de Davi, sendo broto do espermatozóide davídico. O outro, o d’us sol do cristianismo romano, nasceu de mulher virgem, gerado pelo “Ruach Kadosh” (Espírito Santo). O verdadeiro: Nasceu no mês de agosto do ano sete (7) aec. (antes da era comum). O outro nasceu em 25 de dezembro, cerca de sete anos após o justo prometido ter nascido. O Davídico: Recebeu no seu nome a palavra hebraica shuah, que significa salvação. O outro, criado pela profanação romanista, recebeu no seu nome a palavra hebraica sus, que nessa língua significa: Cavalo”. Portanto, Senhores “Academos Astrólogos”, Não lancem mais petróleo na água, mas, comecem a tirar o que já foi lançado.
    Se existe imperfeição na narrativa, por certo ela provém da própria influência de seu narrador que não consegue, em sua jornada dedutiva, detectar os caracteres de uma originalidade pré-estabelecida. Se a incompatibilidade faz parte do idealismo, esse condignamente não se adentra aos termos essenciais dos fatos. Como acreditar, então, em tudo que nos tem sido mostrado? E, se a retidão se acha no incorreto e esse dentre a retidão, como duvidar, então, de tudo que temos visto e ouvido? Só nos resta uma saída: quando, por meio da prudência, aprendermos a separar o joio do trigo e o peso da medida, não há dúvida de que a colheita não se perderá e a balança não será tida por injusta.


    "E olharão para mim, a quem traspassaram; e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito”. Zekaryah (Zacarias) 9: 10.

    E OLHARÃO PARA MIM A QUEM TRASPASSARAM: י ה ו ה YHUH fazendo referência ao seu nome, que foi traspassado naquele que foi morto e que reviveu.
    Assim, os que não têm a visão da obra maravilhosa e assombrosa que foi feita por YHUH, para confundir a sabedoria dos sábios e a prudência dos prudentes, verterão lágrimas de arrependimento por terem rejeitado o prometido. Se não existe uma segunda vez, então Elyahu não virá, porquanto já veio. E a Palavra profética de YHWH no livro de Melakyah (Malaquias) 4: 5, em que situação há de ficar? Ó YHWH! Abre os olhos e o entendimento dessa gente. Amein.

    E- MAIL PARA COMUNICAÇÃO: yoshiahugil@hotmail.com


    BLOG: falandoporysrael.blogspot.com

    BLOG: alertaisraelita.blogspot.com



    OBS. ESTUDO JÁ REGISTRADO.

    BARUCH RABÁ B’ SHEM י ה ו ה YHUH.


    FIQUEM NA SHALOM.

    ATENCIOSAMENTE,

    YAHOSHAFAT BEN YAACOV.

    ResponderExcluir
  10. REVELAÇÃO DA VERDADE


    (O NOME JESUS)

    Em 11: 21 do seu livro encontramos o profeta Daniel falando sobre um homem vil que não recebeu a dignidade real, mas, mesmo não sendo chamado rei, através de enganos haveria de se apossar de um reino. Esse homem citado por Daniel é o representante maior da igreja de Roma. Observe que ele tem trajes reais, trono, domínio, mas não tem a honra de ser chamado de majestade. Através da História temos conhecimento que Roma, em séculos passados, pertenceu à linhagem real dos Césares: Augvstvs Caesar (Augusto César); Tibérivs Caesar (Tibério César); e tantos outros. Porém, por meio de astuciosos planos religiosamente bem organizados o poder dos Césares caiu, surgindo depois disto, numa épocamais adiante, um novo reino em forma de país independente que veio a ser chamado de Vaticano.
    No verso 37 do mesmo capítulo do seu livro, Daniel também avisa que o referido rei sem a honra real não teria respeito aos elim (deuses) de seus pais e ao amor das mulheres, porque sobre tudo haveria de se engrandecer. Sabemos que quem determina a proibição do casamento entre seus adeptos sacerdotais, é a doutrina romana vaticanista. Quando não é permitido que seus devotos representantes se casem, não estará tal doutrina a contradizer o amor matrimonial? Sendo que tal proibição parte daquele que as nações chamam de “Papa”, esse, sem dúvida e contextualmente é o homem mencionado na profecia, também descrito em II - tessalonicenses cap. 2 vss. 3 e 4.
    A História mostra que Roma sempre teve sua crença fundamentada em cultuações idolátricas, nas quais vários deuses eram honrados, sendo até mesmo o imperador acolhido por um desses. Com a chegada do reinante domínio papal todos esses ídolos foram banidos, para em lugar deles, em um poder mundialmente superior, surgir outro que haveria de ser honrado por quase todas as nações da terra. Quem seria esse? Numa exegese lógica nas profecias, a resposta será vista. Ainda se referindo ao mesmo rei não condecorado, em 11: 38 de sua mensagem Daniel averte sobre um d'us que seria honrado preciosamente.

    “E a um d’us a quem seus pais não conheceram honrará com ouro; com prata; com pedras preciosas e cousas agradáveis”.

    Qual nome, todos os dias, é honrado nos crucifixos de ouro; de prata; nos para choques dos carros; dentro dos bares; nos festejos mundanos; não é o nome Iesvs (Jesus)? Esse é o deus mencionado na profética visão de Daniel, cujo nome e poder vêm da Babilônia mística (Roma) e não do Altíssimo. Um dos textos mais usados pelos “evangélicos” encontra-se em Yshayahu (Isaías) 45: 20, na subsequência mostrado.

    “Congregai-vos e vinde; e chegai-vos juntos; vós os que escapastes das nações. Nada sabem os que conduzem as suas imagens de escultura, feitas de madeira; e rogam a um d’us que não pode salvar”.

    Para própria condenação de todos os que pregam sem entendimento, o mencionado texto não só condena os condutores de imagens como também condena todos os que louvam ao deus deles, no qual não há salvação. Observando com atenção, se pode ver que a mensagem se refere a imagens, no plural, mas não se refere a elim (deuses). O que ela nos mostra, é que os condutores de imagens rogam a um el (deus), no singular, o qual não pode salvar a ninguém. Quem é que conduz andores portando imagens em procissões? Não é a doutrina católica que faz isso? Mas, nessa doutrina tão expandida, que nome é tido por nome salvador? Aquele que tem entendimento do alto há de saber, em verdade, que o nome adorado pela filha dos caldeus é Iesvs (Jesus), para ela o sinal da salvação. Dessa forma, muitos estão condenando e sendo condenados no próprio ato de julgar, porquanto estão adorando ao mesmo ídolo-deus que por Babilônia mística é adorado.

    ResponderExcluir
  11. CONTINUAÇÃO:

    Uma profecia muito significativa: Ainda na forma de malach (anjo), falando ao profeta o Mashiach (Messias) advertiu:

    “Sabes por que eu vim a ti? Eu tornarei a pelejar contra o príncipe dos persas; e saindo eu, eis que virá o príncipe da Grécia”. Daniel 10: 20.

    Esse príncipe dos persas com o qual o Mashiach (Messias) haveria de tornar a pelejar, representa o poder do reino romano. Dessa forma quando ele veio em carne, esse poder dominava sobre Ysrael em território palestino, subjugando esse povo por domínios político e religioso. Ao ser cravado e morto no madeiro, o prometido foi tirado da terra dos viventes, cumprindo-se assim as suas palavras: “E saindo eu”. E o príncipe da Grécia? Quem é e como chegou para ficar no lugar do descendente davídico? A profecia do cap. 11 vs. 19 do livro de Yrmeyahu (Jeremias) responde.

    “E eu era como um manso cordeiro, que levam à matança; porque não sabia que imaginavam projetos contra mim, dizendo: Destruamos a árvore com seu fruto, e cortemo-lo da terra dos viventes, e não haja mais memória do seu nome”.

    Quando aconteceu a mudança do kadosh (santo) nome do Mashiach (Messias) para o nome “Jesus”, de origem grega, o príncipe de Ysrael “nas mentes humanas” foi substituído pelo príncipe da Grécia.


    A GRANDE BLASFÊMIA

    “E eu pus-me sobre a areia do mar; e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres; e sobre seus chifres dez diademas; e sobre suas cabeças um nome de blasfêmia”.

    Em 17: 9 do mesmo livro, Yochanan (João) revela que as sete cabeças equivalem a sete montes. Quem pessoalmente conhece Roma ou a sua história, sabe que geograficamente sobre sete montes ela está fundada. Nos versos 1 e 2 do mesmo capítulo, o apóstolo também nos fala de uma prostituta, com a qual os reis (governantes) da terra se prostituiram e os que habitam na terra com seu vinho prostituinte se embebedaram. No verso 3, fala de uma mulher assentada sobre uma besta que estava cheia de nomes de blasfêmia. No verso 18, quem estava falando com Yochanan (João) fala que a mulher é a grande cidade que reina sobre os reis da terra.
    Que cidade, em sinal de adoração, é visitada por reis, ministros e presidentes de toda a terra? Creio que a resposta é fácil, porque nessa cidade está o trono e o reinado daquele que não é honrado como rei, o qual tem grande domínio sobre um reino chamado “Vaticano”. Voltando a 13: 1 de apocalipse, pergunto: Qual é o nome de blasfêmia e de onde surgiu ele? Conhecendo a verdadeira origem do Mashiach (Messias), creio que a resposta não será difícil de ser encontrada.
    A língua original do povo de Ysrael é o hebraico, pois através desta todos os fiéis profetas receberam a kadosh (santa) palavra do ETERNO. O maior mal de muitos grupos evangélicos é não querer admitir, de forma alguma, que por meio das traduções houve um grande número de alterações perante as Escrituras originais. Como exemplo disto, vemos o texto contido em 7: 14 do livro de Yshayahu (Isaías), onde influenciáveis copistas em sua traduções trocaram a palavra “almáh” que significa “jovem” pela palavra “parthenos” que significa “virgem”, quando a palavra correta seria “neanis” que tem o mesmo significado de “almah”, a do texto original. Em hebraico a palavra para virgem é betulah, que no texto original de Yshayahu (Isaías) não existe.

    ResponderExcluir
  12. CONTINUAÇÃO E RESUMO:

    Nessa língua que o mediador da salvação falava desde criança, a palavra “sus” significa “cavalo”. Se você for habitar em Ysrael e lá desejar comprar um desse, com certeza você estará comprando um “sus”. Será que o Filho do ETERNO, na sua própria língua, teria um nome com uma terminação tão blasfema? De maneira nenhuma! י ה ו ה YHUH tenha de misericórdia de todos, principalmente daqueles que estão blasfemando do seu nome, porque o dia do ajustes de contas está prestes a chegar e será um dia de decepção e tristeza para muitos.
    Nesse dia, muitos pregadores irão dizer: “Senhor, Senhor, não pregamos nós em teu nome; e em teu nome não expulsamos demônios; e em teu nome não operamos maravilhas”? Então, da boca do próprio Mashiach (Messias) ouvirão a seguinte resposta: “Nunca vos conheci! Apartai-vos de mim, vós os que praticais a iniqüidade”. Veja Matyahu (Mateus) cap. 7 vss. 22 e 23. Por que o Adon (Senhor) não os conhecerá? Porque eles não o conheceram no seu verdadeiro nome.
    O apóstolo Shaul, equivocadamente chamado (Paulo), relatando ao rei a sua visão disse que ouviu do céu uma voz que em língua hebraica lhe dizia: “Shaul, Shaul, (Saulo, Saulo), por que me persegues”? Atos 26: 13,14. A seguir, o apóstolo disse que ao perguntar quem era o que falava com ele, de acordo com a forma traduzida obteve a seguinte resposta: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues”. Atos 26: 15. Eis a questão: Na língua hebraica não existe o som da letra “J”. Logo, quem falou do alto com o referido apóstolo jamais pronunciou o nome “Jesus”. Prosseguindo, faço também saber que no latim, língua oficial do Vaticano, o nome “Jesus” é “Iesvs”, sendo que a letra “V” soa também como a letra “U”. Assim, a pronúncia do vocábulo “Iesvs” é “Iesus”.
    Tradicionalmente todo nome hebraico tem um significado: Imanuel= Conosco está El. (D'us). – Daniel= El (D'us) é meu Juiz. – Ezequiel= que El (D'us) fortaleça. Nessa língua, o nome “Iesus” também tem um significado terrível! Unindo forma tradutiva com a originalidade, o significado desse nome é: “Ie = Deus”; “sus = cavalo”. Foi isso que Shaul ouviu quando do alto a voz lhe falou? Tendo a voz falado em língua hebraica, se o nome pronunciado por ela foi “Iesus”, nas três últimas letras que qualificação o filho do ETERNO recebeu? Jamais o apóstolo ouviu tal nome, porque esse é o nome de blasfêmia descrito em apocalipse 13: 1 pelo qual diariamente o Todo-Poderoso, com seu kadosh (santo) nome são blasfemados pela besta que abriu a sua boca em blasfêmias contra ele. Tal esclarecimento pode ser visto em Revelação (Apocalipse) cap. 13 vs. 6.
    Os que buscam em fonética e sufixos uma escapatória para remendo de seus graves erros cometidos, só respondam: No hebraico, língua falada pelo Mashiach (Messias) de Ysrael, qual é o significado da palavra “sus”, sílaba final do nome “Iesus”? Os que buscam a salvação estão aguardando vossa resposta, o mais breve possível.

    O nome do ETERNO é י ה ו ה ( YHWH) = YHUH.
    E o nome do Mashiach, seu filho amado, é י א ה שׁ ו ע ה (Yaheshuah), o justo mediador da nossa salvação. Amein.

    OBS. Esse estudo já é registrado.


    HONRA, PODER E GLÓRIA SEJAM PARA י ה ו ה QUE CHAMO DE YHUH, POR SEU FILHO י א ה שׁ ו ע ה YAHESHUAH. AMEIN.


    FIQUEM NA SHALOM.
    E- MAIL PARA COMUNICAÇÃO: yoshiahugil@hotmail.com


    BLOG: falandoporysrael.blogspot.com

    BLOG: alertaisraelita.blogspot.com


    ATENCIOSAMENTE,

    YAHOSHAFAT BEN YAACOV.

    ResponderExcluir
  13. MENSAGEM:

    QUANDO PENSAMOS COM LIBERDADE EM JUNÇÃO COM A JUSTIÇA, NOS APROXIMAMOS DA EMET (VERDADE).

    QUANDO COM LIBERDADE PENSAMOS, PONDO A JUSTIÇA NO DESCASO, NOS APROXIMAMOS DOS DESVIOS E SOMOS ENLAÇADOS NOS EQUÍVOCOS.

    OBSERVE, PENSADOR LIVRE: QUANDO ALGUÉM TE OLHAR COM DESPREZO TE PERSEGUINDO COM CRÍTICAS POR NÃO TERES O NÍVEL SUPERIOR,LEMBRA-TE: ELES ESTÃO PERSEGUINDO A YAHESHUAH HA MASHIACH QUE NA VERDADE, SEGUNDO A SUA VIDA CARNAL FOI UM SIMPLES APRENDIZ DE CARPINTEIRO; ESTÃO PERSEGUINSO A aMOT (AMÓS) QUE FOI UM SIMPLES BOIEIRO E CULTIVADO DE SICÔMOROS; A SHIMON KEFAH (SIMÃO PEDRO) QUE FOI UM PESCADOR E TANTOS OUTROS HOMENS HUMILDES PORÉM ELEITOS.

    USA TUA LIBERDADE NO RUACH KADOSH (ESPÍRITO SANTO, PARA LIBERTAR OS QUE SÃO PRISIONEIROS DO ORGULHO DO PRÓRIO CONHECIMENTO CARNAL.

    ATENCIOSAMENTE,

    YAHOSHAFAT BEN YAACOV.

    SHALOM.

    ResponderExcluir
  14. MENSAGEM:

    QUANDO PENSAMOS COM LIBERDADE EM JUNÇÃO COM A JUSTIÇA, NOS APROXIMAMOS DA EMET (VERDADE).

    QUANDO COM LIBERDADE PENSAMOS, PONDO A JUSTIÇA NO DESCASO, NOS APROXIMAMOS DOS DESVIOS E SOMOS ENLAÇADOS NOS EQUÍVOCOS.

    OBSERVE, PENSADOR LIVRE: QUANDO ALGUÉM TE OLHAR COM DESPREZO, TE PERSEGUINDO COM CRÍTICAS POR NÃO TERES O NÍVEL SUPERIOR, LEMBRA-TE: ELES ESTÃO PERSEGUINDO A YAHESHUAH HA MASHIACH QUE, NA VERDADE, SEGUNDO A SUA VIDA CARNAL FOI UM SIMPLES APRENDIZ DE CARPINTEIRO; ESTÃO PERSEGUINSO A AMOT (AMÓS) QUE FOI UM SIMPLES BOIEIRO E CULTIVADOR DE SICÔMOROS; A SHIMON KEFAH (SIMÃO PEDRO) QUE FOI UM PESCADOR; E A TANTOS OUTROS HOMENS HUMILDES, PORÉM ELEITOS.

    USA TUA LIBERDADE NO RUACH KADOSH (ESPÍRITO SANTO), PARA LIBERTAR OS QUE SÃO PRISIONEIROS DO ORGULHO DO PRÓRIO CONHECIMENTO CARNAL.

    ATENCIOSAMENTE,

    YAHOSHAFAT BEN YAACOV.

    SHALOM.

    ResponderExcluir
  15. R E S U M O Y A H S H O R U L I T A


    “De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Ulhym e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo homem”.
    Koheleth (Eclesiastes 12: 13.)


    Por um pouco de tempo falei; por um pouco de tempo me calei. Agora vejo a necessidade de retornar a ativa para esclarecimentos lógicos, porque ainda que eu me cale, a emet (verdade) sempre estará presente na vida dos eleitos.

    Em tudo quanto pude observar vi claramente uma batalha, onde a disputa pelo maior saber dentre muitos instrutores da Palavra do Olam (Eterno) havia se travado, me tornando também envolvido pelos fragmentos de sua tosca individualidade carnal. O que me conforta diante desse egocêntrico confronto, é saber que mesmo não tendo visão clara da correta pronúncia do kadosh nome do Olam Kadosh Ulhym de Yahshorul, permaneci na pronúncia do Tetragrama dentro da transliteração hebraico português. ה ו ה י (YHUH).

    Só há uma forma pronunciável que diferencia o Olam (Eterno) de Yahshorul de todos os ulim (deuses) estrangeiros: A forma da sua própria existência que se resume na frase: “Eu sou o que sou”. O que ele é? O próprio Mashyach na sua conversa com a mulher samaritana, responde essa interrogativa dizendo: “Ulhym é Ruach”. (D’us é Espírito). Yochanan (João) 4: 24. Esse, dentre outros, é o principal referencial que o põe acima de todos os que são adorados no formato de ouro; prata; pedra; madeira; papel; barro e até mesmo em carne.

    Em Tehilim (Salmos) 68: 4 se referindo ao Olam, David diz: “Cantem a Ulhym, cantem louvores a seu nome; exaltem aquele que cavalga sobre as nuvens por seu nome, Yah; e alegrem-se em sua presença”. (Bíblia Judaica Completa). David H. Stern.

    Como no hebraico não existe vogal escrita, mas, unicamente o som vocálico, é obvio que David usou a metade do Tetragrama ao dizer: “Seu nome é הי”. (YH). A letra ה (H), nesse nome funciona como acento agudo no som vocálico: Iá. Quem é Yah? Yah é Ruach. Quando juntamos a letra י (Y); o som vocálico (a); e a letra ה (H), essa última se torna equivalente ao som da letra “R”. Assim temos: YAHUAH (IARRUÁ). Ou: (IARRUARR). YAHUAH, pois, é a pronúncia exata do nome do Olam Ulhym de Yahshorul.

    No livro de Mikayah (Miquéias) 5: 4, diz que o Mashyach haveria de vir para governar com a majestade do nome do Olam. Esse, por ter vindo em carne para se tornar descendente de David, recebeu no seu nome o kadosh nome do Altíssimo Criador acrescentado com a letra שׁ (shin) = sh, para indicar que só Yah é salvação. Yahshuah. Tirando a letra shin = sh, o Mashyach fica unicamente no mais alto nome: Yahuah. Só Yahshuah e o nome Yahudah contem corretamente a forma completa do nome do Olam Ulhym de Yahshorul. Os demais estão na forma Yah; Yahu.

    Honra e louvor seja para Yahuah (Yah Espírito).

    Atenciosamente,

    Yahoshafat Bem Yaakov.

    ResponderExcluir